– Novo Hamburgo – 13/04/17 –

O jogo do poder é corrupto, sujo e cruel, no Brasil e no mundo, há milênios. Desde que o homem é homem e tem intestinos.

Assim, pretender que algum partido ou líder chegue ao comando sem alguma concessão ao esgoto é ingenuidade ou má-fé (em bom português: burrice ou cinismo!).

O que está pretendendo este pessoal das mãos limpinhas? Não se limpa o vaso sem sentir cheiro de merda! É evidente que Lula, Getúlio, Brizola, Zumbi dos Palmares, Bento Gonçalves da Silva, Dom Pedro II, Eugênio Nelson Ritzel, Alceu Mosmann, Tarcísio, Luís, Jair, Fátima, Olívio e o escambau tiveram que conviver com Sarneys, Renans, Cunhas, Marinhos (será que existe gente assim, na política, em Novo Hamburgo?).

Falta de ética – na minha opinião, de mínima bondade – é ficar olhando de fora, tapando o narizinho com lencinhos de seda e reclamando que ninguém faz nada pra eliminar este fedor (como se não tivessem intestinos!).

A conta que precisa ser feita é a do mundo real, daquilo que foi feito com o dinheiro público, em cada governo, pra ver de que lado cada grupo de poder está.

Lula (e o PT, com suas alianças ao torto e ao direito) tirou o Brasil do mapa da fome, criou universidades, multiplicou escolas, construiu pontes, transposições, levou energia elétrica ao sertões, diminuiu a relação dívida pública/PIB, gerou empregos…

… parecido com Getúlio Vargas e Jango, outros dois grandes corruptos da História brasileira, segundo atestam as notícias e editorais dos grandes jornais da época.

Mas, voltando ao Lula, dizem que também comprou um sítio no interior de São Paulo.

E o FHC???… o quê fez o FHC (e o PSDB, com suas alianças a torto e à direita)?

Eu cito dezenas de obras importantes feitas pelo governo federal em Novo Hamburgo no período Lula-Dilma. E… o quê fez o FHC?

Ah!… mas o lulopetismo quebrou o país! É mesmo? Em quanto estavam os juros quando FHC terminou seu mandato? Em torno de 45! Em quanto estavam os juros, quando Dilma foi golpeada? Em torno dos 13! (Estou falando dos números que efetivamente foram e estão registrados…

.. e é bem fácil lembrar deles, não é mesmo? Memorize: juros a 45 por cento ao ano e juros a 13 por cento ao ano.

Mas… o quê fez o FHC? Ah! dizem que também comprou uma mansão em Paris.

Bem, você escolhe sua turma! Em qualquer uma delas, vai estar trabalhando no esgoto.

Mas tem uma terceira opção: a turma dos lencinhos perfumados.

De resto…

… alguma novidade, sinceramente, nesta lista de investigações liberadas pelo ministro Fachin, do Supremo Tribunal Federal?

– Alguma velhinha de Taubaté ainda duvida que empresas financiam as campanhas eleitorais em troca de favores posteriores, desde 1800 e antigamente?

– Algum Pedro Bó imagina que estas empresas têm prejuízo no final de todas as contas?

Acho que estas perguntinhas têm respostas óbvias. Mas tem mais algumas, um pouco mais difíceis.

– Porque o ministro do Supremo, Gilmar Mendes, ficou um ano sentado em cima de uma decisão do Tribunal, de proibir o financiamento empresarial das campanhas, justamente quando se decidia a eleição mais importante da História do país, a de 2014, em que foram eleitas a presidente Dilma e o Congresso que, depois, votou seu impeachment sem crime?

– Será que estas doações de campanha, em troca de favores, foram feitas apenas por empreiteiras? Nenhum centavinho oculto rolou do Sistema Financeiro para as campanhas eleitorais?

– Isto pode ter relação – será possível? – com coisas como taxas de juros, reforma / destruição da Previdência Social, reforma trabalhista, etc.?

– Atirar nomes ao vento, ou mesmo prender um ou outro ou todos os denunciados, sem nenhum respeito as normas básicas dos processos jurídicos, vai consertar o país?

Pra mim, o que resolve (e só em parte) é o financiamento público das campanhas eleitorais, com regramento muito mais rigoroso do que está sendo discutido até agora.

Propaganda de campanha, impressa, em áudio ou em vídeo, por exemplo, sequer poderia ser paga com recursos de fundo partidário administrado pelos partidos. Deviam ser pagos pelo caixa da Justiça Eleitoral… entregues na Justiça Eleitoral… e por ela encaminhada aos concorrentes.

A economia para os cofres públicos e para o bolso da cidadania seria incalculável.

Isto vai eliminar a possibilidade de corrupção e de interferência do poder econômico nas eleições?

Não. Acho que aumenta bastante o controle e dá ferramentas para combater a corrupção e a interferência do poder econômico na política, mas a gente vai ter que trabalhar no esgoto por muito tempo ainda!

Enquanto isto, a gente espera por quem vai resolver todo este problema, na real, mas hoje está em casa, lavando as mãozinhas e tapando o nariz…

… puxando a descarga e reclamando da poluição do Rio dos Sinos!…

Anúncios