O novo espaço libertário que o Paulo Pioner oferece à comunidade transformadora de Novo Hamburgo e da região recebeu, ontem à tarde e à noite, sua primeira leva de visitantes interessados em participar de sua utilização.

Cheguei uns minutinhos atrasado (a reunião foi marcada para as 16h) e o Pioner já estava mostrando as salas e possibilidades para um grupo que já havia chegado, explicando que as estruturas são sólidas, mas a casa precisa de uma boa limpeza.

Em seguida, sentamos em torno de uma mesa e o Pioner seguiu informando sobre as condições éticas e estéticas em que o espaço está sendo disponibilizado. Algumas ideias foram anotadas, ainda sem o peso de decisões, pois a ideia é consultar um grupo um pouco mais amplo de pessoas.

Houve uma reunião logo depois da nossa, e ainda outra ficou marcada para o próximo sábado, às 18 horas (remarcado para as 17h). Acredito que, nesta, já se vá compartilhar algumas tarefas.

Entre as ideias postas na roda, se entendeu que os espaços serão compartilhados a partir de alguns critérios básicos a serem considerados, tais como:

– o trabalho autoral (não necessariamente artístico, mas no sentido de que serão valorizados as pessoas ou grupos que ofereçam produtos feitos por eles mesmos);

– o envolvimento coletivo;

– o compromisso com a sustentabilidade;

– a colaboração e a solidariedade.

Foi fortemente discutida a possibilidade de a Casa Aberta assumir uma vocação de facilitar e promover o encontro das várias pessoas, movimentos e coletivos dedicados à cultura, ao diálogo e ao desenvolvimento social, não só de Novo Hamburgo, mas de toda a região. Isto em função de sua localização privilegiada, na esquina da Nicolau Becker com a Casemiro de Abreu, perto da última estação do Trensurb, de uma das Estações Rodoviárias da cidade e dos trajetos de praticamente todas as linhas de ônibus.

São muitas e muito estimulantes as possibilidades, num momento muito rico de agitação cultural e civilizatória.

Estes são indicativos, não fatos já engessados. Importa que a Casa Aberta está de fato aberta… e o ar que se está respirando é muito leve. Fazia bastante calor, mas a casa estava arejada.

Pra onde vão nos levar estes ares?

Sei lá, mas o bom da vida é a possibilidade de construir algo novo.

Para se manterem informados, sugiro acompanhar a página do projeto no feissebuqui: https://www.facebook.com/Casa-Aberta-Clube-da-Esquina-327844127586934/?fref=ts

Veja também o primeiro artigo sobre a proposta da Casa Aberta: https://carlosmosmann.wordpress.com/2017/02/23/mais-um-espaco-libertario/

Anúncios