“Há tanto tempo que eu não tenho tempo

pra ver o tempo passar

Há tantas horas que eu não vejo as horas

as horas que não saem do lugar

Há tantos vícios e compromissos

Há tantos vídeos e histórias mil

Há tantas sombras entre as luzes

Há muitas notas no vinil

Há paixões mal resolvidas, sonhos tão banais de se ter

Há perigos na esquina, milhões de jovens a se perder”…

Pirou com a letra? É do Xande Santos, músico hamburguense que está aí na noite da cidade e da região. É da música “É o que há”, que apresentou junto com sua banda Café Black, no Festival da Nossa Música no ano passado.

E nem recebeu o prêmio de melhor letra, não por injustiça, mas porque havia muitas outras letras muito boas e os jurados tiveram entendimento diverso do meu… Enfim, este lance de “melhor” é muito estreitinho quando se fala em Cultura de verdade.

Importa é que temos mais um, entre tantos – e que bom que é mais um, entre tantos – criadores fantásticos de música, poesia e expressão artística em nossa cidade.

Curta a música, no melhor estilo planetário-afro-americano-brasileiro-pop.

Não consigo terminar este texto sem citar mais uma passagem desta letra, que considero genial:

“Há tanto tédio no movimento

de quem não tem nada pra fazer”.

Graças aos céus, Xande, não nos falta o que fazer!

Obs.: A foto – incrível, fantástica, captando a imensa energia deste guitarreiro – é de William Figueiredo, “arteiro” fotografista da vizinha (querida e inspiradora rival e complementadora) cidade de São Leo.

Anúncios